12 de dez de 2011

Pegadas na areia

Poema escrito em 1936 por Mary Stevenson que recebeu os direitos autorais da obra em 1984 depois de muita luta para provar que o poema era de sua autoria.

(Versão diferente das encontradas na Internet)

Hoje eu tive um sonho, um sonho que nunca sonhei em minha vida.
Sonhei que na tela do céu, estava sendo retratado um filme, e que este filme era justamente o da minha vida, onde todos os dias, desde o início até hoje, foram representados como pegadas na areia, duas, uma minha e outra do Senhor.
E com o passar do filme percebi, que olhando para trás, em alguns momentos da minha vida, só havia uma pegada, e esses momentos coincidiam justamente com os momentos de maior sofrimento, de maior dor, de maior angústia.
Então, eu parei e perguntei ao Senhor:

- Senhor, tu me disseste que estarias comigo durante toda a minha caminhada, fosse nos momentos difíceis ou nos fáceis, e eu aceitei caminhar com o Senhor. Mas, então, por que nos instantes mais difíceis o Senhor me abandonou?

E Ele me respondeu:

- Filho, eu te amo. Quando falei que iria te acompanhar durante toda a tua vida, te acompanhei. Quando tu viste, nos piores momentos de tua vida, somente uma pegada, não foram os dias em que te abandonei, e sim, foram os dias em que te carreguei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário